Sobre la neutralidad de Fernando H. Cardoso. Atilio A. Boron

Escribo estas pocas líneas conmovido y desde el corazón. No alcanzo a comprender cómo quien fuera maestro de toda una generación de sociólogos, politólogos y economistas de América Latina y el Caribe hoy prefiere mantenerse en silencio ante la trágica opción que enfrentarán los brasileños el próximo 28 de Octubre: restaurar la dictadura, bajo nuevos ropajes,  o proseguir la larga y dificultosa marcha hacia la democracia. Para justificar su actitud declaró a los medios que “de Bolsonaro me separa un muro y de Haddad una puerta.”

Conmovido, decía, y asombrado. Porque, ¿Cómo es posible que quien fuera una de las más brillantes mentes de las ciencias sociales desde comienzos de los años sesentas del siglo pasado pueda mostrar tal desinterés cuando lo que está en juego es o bien el retorno travestido de la dictadura militar (que luego del golpe de 1964 lo obligó a exiliarse en Chile) o la elección de un político progresista, heredero de un gobierno que, con todos sus defectos, fue quien más combatió la pobreza en el Brasil, incluyó social y económicamente a decenas de millones de brasileñas y brasileños hasta entonces postergados y humillados, creó el mayor número de universidades de la historia de su país y todo lo hizo en un marco de irrestrictas libertades civiles y políticas? Quienes fuimos sus alumnos en la FLACSO de Chile, deslumbrados con sus brillantes clases sobre el método dialéctico de Marx y las enseñanzas de quien a su vez fuera su maestro, Florestán Fernándes; o cuando disertaba sobre la teoría de la dependencia mientras escribía su texto fundamental con Enzo Faletto; o cuando diseccionaba con la sutileza de un eminente cirujano la naturaleza de las dictaduras en América Latina; quienes asistimos a sus clases no podemos sino sumirnos en la perplejidad ante su silencio en lo que sin dudas es una de las coyunturas más críticas de la historia reciente de Brasil. Quienes tuvimos la suerte de enriquecernos intelectualmente con sus lecciones no podemos creer las noticias que nos llegan hoy de Brasil y que informan de su escandalosa abstención. Y cuando aquellas se confirman, como ha ocurrido en estos días, lo hacemos con el corazón sangrante.

¿Cómo olvidar de que fue  Fernando Henrique quien aquellos años finales de los sesentas nos ayudó a sortear las estériles trampas del estructuralismo althusseriano, moda que estaba haciendo estragos en Chile. Después, desde mediados de los setentas y a lo largo de los ochentas fue la voz de la sensatez y la sensibilidad histórica que obligó a algunos “transitólogos” deslumbrados por la politología de la academia estadounidense a revisar sus ingenuas interpretaciones y expectativas sobre las nacientes democracias latinoamericanas. Recordamos como si fuera hoy sus advertencias diciéndole a sus colegas que en Nuestra América el “modelo de La Moncloa”  -erigido como el arquetipo no sólo único sino virtuoso de nuestra todavía inconclusa “transición hacia la democracia”-  debería enfrentar enormes dificultades para reproducirse en el continente más injusto del planeta. Y sus previsiones fueron corroboradas por el devenir histórico: ahí están nuestras languidecientes democracias, incumpliendo sus promesas emancipatorias, impotentes para instaurar la justicia distributiva y cada vez más vulnerables a la acción destructiva del imperio y sus lugartenientes locales. Democracias, en suma, en rápida transición involutiva hacia la plutocracia y la neocolonia. Fue Cardoso uno de los principales animadores del Grupo de Trabajo sobre Estado de CLACSO que se creara a comienzos de los setentas, y su espíritu crítico y su fina ironía orientó buena parte de las labores de ese pequeño conjunto de colegas. Tanto en las discusiones sobre la transición a la democracia y la naturaleza de las dictaduras que asolaron la región siempre usted decía que sin una reforma profunda de las desigualdades del capitalismo latinoamericano sería “imposible suprimir el olor a farsa de la política democrática”. Y allí también la historia avaló sus anotaciones.

Más allá de sus errores y limitaciones la experiencia de los gobiernos de Lula y Dilma avanzaron, si bien con demasiada cautela, en la dirección que usted nos señalaba. ¿Que en esos gobiernos hubo corrupción, que aumentó la inseguridad ciudadana, o que algunos problemas no fueron encarados correctamente, o inclusive se agravaron? Es cierto. Pero nada de esto constituye una novedad en la historia brasileña o un producto exclusivo de los gobiernos del PT,  y usted como analista tanto como en su calidad de ex senador, ex ministro y ex presidente lo sabe muy bien. Pero aún si estas críticas fueran ciertas –cosa sobre lo cual no viene al caso expedirse en estas líneas- ellas son “peccata minuta” ante el peligro que acecha a Brasil y a toda América Latina. Y el viejo maestro, con su inteligencia, a esta altura de su vida no puede arrojar por la borda todo lo que enseñara sobre la democracia y las dictaduras. No puede cometer el que, sin duda alguna, sería el mayor error de su vida, que arrojaría un ominoso manto de sombra no sólo sobre su trayectoria intelectual sino también sobre su propia gestión como presidente de Brasil.

¿Qué hay una puerta entre usted y Haddad? Bien, pero el candidato petista ya lo invitó a pasar. Abra esa puerta y entre, porque aquel muro que lo separa de Bolsonaro no sólo caerá encima de las clases y capas populares de Brasil sino también sobre su cabeza y su renombre. Nadie le pide que apoye incondicionalmente a lo que hoy, le guste o no, representa una opción democrática, la única opción democrática, frente a la monstruosa reinstalación de la dictadura militar por la vía de un electorado manipulado como jamás antes en la historia del Brasil. Que la fórmula Haddad-D’Avila sea la única opción democrática en las próximas elecciones no sólo es producto del empecinamiento de los gobiernos del PT. Usted fue presidente, por ocho años, y algo de responsabilidad le cabe también por esta imposibilidad de construir una alternativa más atractiva. Su delfín, Geraldo Alckmin, tuvo un desempeño catastrófico.  Por eso un hombre como usted no puede ni debe permanecer neutral en esta coyuntura. Sus pasiones y su ostensible animosidad hacia Lula y todo lo que él representa no pueden jugarle tan mala pasada y nublar su entendimiento. Usted sabe que la victoria de Bolsonaro dará luz verde a sus tropas de asalto a la democracia, la justicia, los derechos humanos, la libertad, tropelías que para espanto de la población ya prometen y anuncian sin tapujos a través de la prensa y las redes sociales en Brasil.

 

¿Cómo puede usted declararse prescindente en esta batalla crucial entre dictadura y democracia? A veces la vida nos coloca en estas incómodas encrucijadas, y no queda hay otro remedio que elegir y actuar. Recuerde que Dante, en La Divina Comedia, reservó el círculo más ardiente del infierno a quienes en tiempos de crisis moral optaron por la neutralidad. Usted, por su historia, por lo que hizo, por su magisterio, por la memoria de sus propios maestros no puede sino oponerse con todas sus fuerzas a la re-encarnación de la dictadura bajo el mascarón de proa de un político mediocre y reaccionario que ni bien instalado en el Palacio de Planalto será fácil presa de los actores más siniestros del Brasil.  Su nombre, Fernando Henrique, no debe quedar inscripto entre los cómplices de la tragedia en ciernes en Brasil. Créame si le digo, siendo fiel a sus enseñanzas, que a diferencia de Fidel si usted persiste en esa indolencia, en esa neutralidad,  en esa incomprensible dejadez, la historia no lo absolverá sino que lo condenará. Contribuya con su palabra a que su país sortee el peligro del inicio de un nuevo ciclo dictatorial que sólo agravará los problemas que hoy atribulan al Brasil. Y luego, despejada esa amenaza, discuta sin concesiones como mejorar la democracia en su país. Pero primero asegure que su pueblo no volverá a caer en los horrores que con tanta fuerza usted condenó en el pasado. Su silencio, o su abstención, serán implacablemente juzgados por los historiadores del futuro, como ya lo son hoy por sus asombrados contemporáneos que no pueden entender las razones de su silencio. Tiene poco tiempo para evitar tan triste final. Ojalá su inteligencia prevalezca sobre sus pasiones.

 

 

Vox populi: distância cai para 6 pontos

Pesquisa Vox Populi/CUT divulgada na manhã desta sexta-feira aponta: Bolsonaro tem 53% das intenções de voto válidos e Haddad tem 47%; a diferença entre os dois é de apenas 6 pontos percentuais, o que indica que a disputa eleitoral está aberta e o país terá uma reta final emocionante, com uma subida do candidato do PT que tem sido a tônica das últimas eleições


Da pagina 247

Pesquisa Vox Populi/CUT divulgada na manhã desta sexta-feira aponta: Bolsonaro tem 53% das intenções de voto válidos e Haddad tem 47%. A diferença entre os dois é de apenas 6 pontos percentuais, o que indica que a disputa eleitoral está aberta e o país terá uma reta final emocionante, com uma subida do candidato do PT que tem sido a tônica das últimas eleições. Nos votos totais, considerados brancos, nulos e indecisos, o número é de 44% para Bolsonaro e 39% para Haddad, uma diferença de apenas 5 pontos, com 12% de brancos, nulos e “ninguém” e 5% de “não sabe” e “não respondeu”.

O cenário é bem diferente da pesquisa Datafolha divulgada na noite desta quinta e que havia indicado Bolsonaro com 59% e Haddad com 41% de votos válidos -uma diferença de 18 pontos percentuais. Ou seja: está aberta uma disputa entre os institutos de pesquisas na chegada do segundo turno. A pesquisa Vox/247 feita na véspera do primeiro turno foi a que mais se aproximou do resultado das urnas -leia aqui.

Em votos espontâneos válidos, a pesquisa indica Bolsonaro com 54% e Haddad com 46% – oito pontos percentuais de diferença. Haddad tem 41% de rejeição contra 38% de Bolsonaro. 7% dizem que podem votar em qualquer um dos dois, 8% dizem que não votam em nenhum e 5% não sabem ou não responderam.

Dos entrevistados, 66% acreditam em vitória de Bolsonaro e 24% na de Haddad. 56% disseram ter assistido o horário eleitoral gratuito e 44% disseram que não assistiram. 23% afirmaram que o melhor programa do horário eleitoral gratuito é o de Haddad e 22% disserem que é o de Bolsonaro.

A pesquisa foi contratada pela CUT e contou com 2 mil entrevistas aplicadas em 120 municípios nos dias 16 e 17 (terça e quarta). A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais, estimada em nível de confiança de 95%. A sondagem foi registrada no TSE com o número BR-08732/2018.

Veja os principais números da pesquisa em tabelas:

 

Juristas veem risco de cassação por compra de disparos no WhatsApp.

Caso se comprove que empresas compraram disparos de mensagens de WhatsApp contra o PT, especialistas em direito eleitoral ouvidos pelo UOL consideram possível a impugnação da candidatura e posterior cassação de mandato do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), caso ele seja eleito. A análise dos juristas considera o cenário após as eleições devido ao tempo que um processo deste tipo costuma levar.


Eduardo Militão

Da pagina UOL

 

informação sobre a atuação de empresas na campanha foi revelada pelo jornal Folha de S.Paulo nesta quinta-feira (18).

Segundo os juristas, as encomendas de mensagens seriam doações não contabilizadas, o que se assemelha ao caixa 2 de campanha, e são feitas por empresas, o que é proibido pelo Supremo Tribunal Federal desde 2015. Além disso, é crime contratar pessoas para distribuir conteúdo para “denegrir a imagem de candidato”. Na hipótese de uma cassação de mandato, as eleições seriam anuladas e deveria ser feito novo pleito, observa a vice-presidente da Comissão de Direito Eleitoral da Ordem dos Advogados do Brasil, Gabriella Rollemberg.

Membro da Academia Brasileira de Direito Eleitoral e fundador do Instituto Paranaense de Direito Eleitoral, Guilherme de Salles Gonçalves, avalia que a situação é delicada. “A soma de ilegalidade dessa situação é muito grave”, afirmou, nesta quinta-feira. Segundo a reportagem da Folha, cada empresa pagava até R$ 12 milhões por contrato. Por lei, os candidatos à Presidência só podem gastar R$ 70 milhões na campanha. “Então, R$ 12 milhões chega a ser 17%. Isso é muito relevante.”

Segundo Gonçalves, mesmo que o candidato alegue que não sabia, participou ou concordou com o envio em massa de mensagens, a jurisprudência do Tribunal Superior Eleitoral avalia o benefício à candidatura. O advogado lembra que as lojas Havan, do empresário Luciano Hang, foram apontadas como um dos participantes da compra de pacotes.

Hang foi obrigado pela Justiça a comunicar aos funcionários que eles tinham liberdade para votar em quem quisessem, dias depois de ameaçar fazer demissões caso Bolsonaro perdesse. “A anuência pode ser presumida”, diz o advogado. “Não há como se dizer que o candidato não tenha nem ideia de que isso estava acontecendo.”

Investigação precisa de documentos e evidências

Gabriela Rollemberg destaca que a lei 9.504 proíbe a doação de cadastros para candidatos. A mesma lei considera crime contratar, “direta ou indiretamente” grupo de pessoas para “emitir mensagens ou comentários na internet para ofender a honra ou denegrir a imagem de candidato”. Para ela, o caso pode render uma punição a Bolsonaro. “Pode sim dar penalidade ao candidato, mesmo que ele não tenha participado, porque foi beneficiado”, acrescentou Gabriela.

A depender do que for demonstrado, se o valor for impactante como está sendo noticiado, o tribunal vai analisar se há gravidade suficiente para interferir no resultado da eleição presidencial, diz a advogada. Obviamente que não é uma coisa simples você entender pela cassação de um presidente da República.

Presidente do Instituto Brasileiro de Direito Eleitoral, o ex-ministro do TSE Henrique Neves foi cauteloso ao lembrar que os fatos precisam ser documentados e comprovados. Mas afirmou que as leis brasileiras preveem a anulação das eleições.

“Qualquer tipo de abuso de poder econômico ou uso indevido de comunicação social pode resultar em investigação judicial, em que os fatos serão esclarecidos e, eventualmente, se provada a ocorrência de irregularidade com gravidade suficiente para contaminar a legitimidade e a normalidade das eleições, pode gerar inclusive o cancelamento da eleição”, disse Neves ao UOL. Tudo precisaria ser provado, acrescentou. “Tem um ‘porém’ enorme”, concluiu o ex-ministro.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) disse ao UOL que vai analisar a questão dentro das representações apresentadas à Justiça, como a do PT. “O Ministério Público Eleitoral não adianta posicionamento sobre nenhum caso”, acrescentou.

Comunidade universitária lança carta em defesa da democracia

‘Nós, professores, estudantes e funcionários das universidades brasileiras, desejamos, nesta hora perigosa, ressaltar que a democracia, o livre pensar, a autonomia do ensino, são cláusulas pétreas das quais não abriremos mão em nenhuma hipótese’


Da pagina Brasil Debate

Professores, estudantes e funcionários de um amplo espectro de posições políticas lançaram hoje uma carta que reafirma “os valores fundamentais da liberdade, da razão e dos direitos humanos”.  No momento em que, segundo os signatários, “a democracia duramente construída no país pode outra vez perecer”, entenderam ser necessário unificar-se em defesa do regime democrático.

Aberto à assinatura pública a partir de hoje, o documento foi lançado com quase quinhentos nomes, entre eles a de acadêmicos conhecidos por suas diferenças. Estão na lista inicial os historiadores Boris Fausto, Fernando Novais, Laura Mello e Souza e Luiz Felipe de Alencastro, os juristas Conrado Hubner Mendes, Dalmo Dallari, Fábio Comparato, Gilberto Bercovici, José Gregori e Pedro Dallari, os economistas Laura Carvalho, Leda Paulani, Lena Lavinas, Luiz Carlos Bresser-Pereira, Luiz Gonzaga Belluzzo, Paulo Furquim de Azevedo, Pedro Rossi e Fernando Rugitsky, os filósofos José Arthur Giannotti, Marilena Chauí, Marcos Nobre, Paulo Arantes, Ruy Fausto e Vladimir Safatle, os sociólogos Brasilio Sallum Jr, Gabriel Cohn e Maria Arminda do Nascimento Arruda, o crítico literário Roberto Schwarz, as arquitetas Ana Lanna, Ermínia Maricato e Raquel Rolnik, as antropólogas Alba Zaluar, Lilia Schwarcz e Manuela Carneiro da Cunha, os jornalistas Eugênio Bucci e Carlos Eduardo Lins da Silva, a educadora Lisete Arelaro e os cientistas políticos Cláudio Couto, Elizabeth Balbachevsky, Maria Hermínia Tavares de Almeida, Maria Victoria Benevides, Paulo Sérgio Pinheiro, Leonardo Avritzer, Luis Felipe Miguel e André Singer.

Afirmando que “o processo eleitoral em curso trouxe à tona fantasmas do passado, palavras simpáticas a torturadores, sugestões de uso da violência contra adversários políticos e cogitações de golpe” pela chapa que terminou o primeiro turno em primeiro lugar, os signatários dizem que “a democracia, o livre pensar, a autonomia do ensino, são cláusulas pétreas”, das quais não abrirão mão.

Para assinar acesse o link: https://goo.gl/forms/z39KnK7ckUV6ol1C2

A seguir, o manifesto:

Carta das universidades pela democracia

O Brasil atravessa, novamente, um daqueles momentos cruciais em que a consciência democrática da nação precisa levantar-se para afirmar os valores fundamentais da liberdade, da razão e dos direitos humanos. Ameaçada por uma tosca pregação autoritária, que não se peja em enaltecer a ditadura de 1964, a democracia duramente construída no país pode outra vez perecer, como aconteceu no período histórico ora elogiado por um dos candidatos à Presidência da República na eleição decisiva que se aproxima. Por isso, acima e além das divisões ideológicas, partidárias e filosóficas que nos separam, decidimos nos unir em defesa do bem maior que representa podermos resolver as nossas diferenças em paz, dentro do Estado de Direito, e no respeito absoluto pela opinião alheia.

A universidade conhece de sobra o horror das intervenções arbitrárias. Instituição cujos objetivos máximos são o cultivo e a transmissão da inteligência, ela depende do livre curso das ideias, para realizar a contento a tarefa que lhe cabe. Os ares sombrios da intolerância sufocam a atividade universitária, que desde sempre na história resistiu às pressões do pensamento único.

O processo eleitoral em curso trouxe à tona fantasmas do passado. Palavras simpáticas a torturadores, sugestões de uso da violência contra adversários políticos, cogitações de golpe foram repetidas, para quem quisesse ouvir, pela chapa que terminou o primeiro turno em primeiro lugar. Os candidatos que as proferiram pretendem com elas intimidar os democratas e, quem sabe, preparar o terreno para aventuras de maior alcance contra o regime estabelecido na Constituição Federal aprovada em 1988.

Nós, professores, estudantes e funcionários das universidades brasileiras, desejamos, nesta hora perigosa, ressaltar que a democracia, o livre pensar, a autonomia do ensino, são cláusulas pétreas das quais não abriremos mão em nenhuma hipótese.

São Paulo, 18 de outubro de 2018

Para assinar acesse o link: https://goo.gl/forms/z39KnK7ckUV6ol1C2

Já assinaram esta carta:

  1. Adma Muhana (USP)
  2. Adrian Albala (UnB)
  3. Adrián Pablo Fanjul (FFLCH – USP)
  4. Adriana Nunes Ferreira (UNICAMP)
  5. Ailton Souza (UEMS)
  6. Alba Zaluar (Antropologia – UERJ)
  7. Alessandro Constatino Gamo (UFSCAR)
  8. Alessandro Martins Prado (UEMS)
  9. Alexander Yao Cobbinah (FFLCH – USP)
  10. Alexandre Abdal (FGV)
  11. Alexandre Adalberto Pereira (Unifap)
  12. Alexandre Carrasco (Unifesp)
  13. Alexandre Freitas Barbosa (USP)
  14. Alexandre Macchione Saes (Economia – USP)
  15. Alexandre Pupo Quintino (FFLCH -USP / DCE Livre da USP)
  16. Alexandre Sizilio (Medicina – Santa Casa de São Paulo)
  17. Alicia Bonamino (PUR/RJ)
  18. Aloisio Mercadante (Unicamp)
  19. Álvaro Bianchi (Ciência Política – Unicamp)
  20. Amaury Gremaud (USP)
  21. Amelia Cohn (Saúde Pública – USP)
  22. Ana Claudia Farranha (Direito – UnB)
  23. Ana Fontenelle (UFC)
  24. Ana Helena Lopes dos Santos (Administração Pública – FGV)
  25. Ana Lúcia Duarte Lanna (FAU – USP)
  26. Ana Luísa Tibério (Direito – USP) – Centro Acadêmico XI de Agosto
  27. Ana Maria Nusdeo (Direito – USP)
  28. Ana Paula Pacheco (DTLLC – USP)
  29. Ana Paula T. Magalhães (USP)
  30. Anderson Christopher Santos (UFRN)
  31. André Borges (UnB)
  32. André Botelho (UFRJ)
  33. André de Melo Araújo (UnB)
  34. André Kaysel (Ciência Política – Unicamp)
  35. André Luis Nogueira da Silva (IBGE)
  36. André Pereira de Carvalho (FGV)
  37. André Ribeiro de Santana (Universidade Federal do Pará)
  38. André Singer (Ciência Política – USP)
  39. Andrea Freitas (IFCH – Unicamp)
  40. Andrea Saad Hossne (FFLCH – USP)
  41. Andréa Vettorassi (Ciências Sociais – UFG)
  42. Andrei Koerner (Unicamp)
  43. Andreia Galvão (Ciência Política – Unicamp)
  44. Andrija Oliveira Almeida (UFBA)
  45. Angela Ganen (UFRJ)
  46. Angela Maria Martins (Unicid)
  47. Angela Terumi Fushita (UFABC)
  48. Annick Marie Belrose (Unifap)
  49. Antônio Carlos Sardinha (Unifap)
  50. Antonio Correa de Lacerda (PUC SP)
  51. Antonio David (Filosofia – USP)
  52. Antonio Guerreiro (Antropologia – Unicamp)
  53. Antonio Nascimento (FGV)
  54. Antonio Negro (UFBA)
  55. Ariane Ferreira Porto Rosa (UFPEL)
  56. Armando Caputi (UFABC)
  57. Arnaldo Franco Junior (Unesp)
  58. Aron Belinky (FGV)
  59. Arthur Fisch (FGV)
  60. Bárbara Morbidelli Gregorio (FGV)
  61. Beatrice Fontenelle-Weber (FEA – USP) – CAVC
  62. Beatriz Mioto (UFABC/Unicamp)
  63. Beatriz Raposo de Medeiros (FFLCH – USP)
  64. Beatriz Raposo de Medeiros (FFLCH – USP)
  65. Bernardo Ferreira (UERJ)
  66. Bernardo Ricupero (Ciência Política – USP)
  67. Betty Mindlin (USP)
  68. Bila Sorj (Sociologia – UFRJ)
  69. Boris Fausto (Ciência Política – USP)
  70. Brasilio Sallum Jr ( Sociologia – USP)
  71. Bruna Fraga (Udesc)
  72. Bruna Guerrieri Huszar (FGV)
  73. Caio Gracco Pinheiro Dias (Direito – USP)
  74. Caio Marcondes Barbosa (Ciência Política – USP)
  75. Caio Momesso (FGV)
  76. Caio Santo Amore (FAU – USP)
  77. Camila Góes (Ciência Política – Unicamp)
  78. Camila Risso Sales (Unifap)
  79. Camilo Zufelato (Direito – USP)
  80. Carlos Arthur Gallo (UFPEL)
  81. Carlos Eduardo Lins da Silva (IRI – USP)
  82. Carlos Eduardo Ribeiro (UFABC)
  83. Carlos Machado (UnB)
  84. Carmen Sylvia Vidigal Moraes (Educação – USP)
  85. Carolina Gabas Stuchi (UFABC)
  86. Carolina M. Pozzi de Castro (UFABC)
  87. Catarina Helena Cortada Barbieri (Direito – FGV)
  88. Celi Espasandin Lopes (Unicid)
  89. Céli Pinto (UFRGS)
  90. Christian Jecov Schallenmueller (USP)
  91. Christiane Jalles de Paula (UFJF)
  92. Christy G. G. Pato (UFFS)
  93. Cícero Araújo (Ciência Política – USP)
  94. Clara Carnicero de Castro (UFPR)
  95. Clarice Calixto (UnB)
  96. Clarice Cohn (Antropologia – UFSCAR)
  97. Claudia Fátima de Melo Favarão (Universidade Estadual de Londrina)
  98. Claudia Regina Vieira (UFABC)
  99. Cláudio Couto (FGV)
  100. Cláudio Salm (UFRJ)
  101. Clovis Bueno de Azevedo (FGV)
  102. Conrado Hubner Mendes (Direito – USP)
  103. Cynthia Sarti (Unifesp)
  104. Dalmo Dallari (Direito – USP)
  105. Daniel Bin (UnB)
  106. Daniel de Mendonça (UFPEL)
  107. Daniel Pereira Andrade (FGV)
  108. Daniela Camargo (FGV)
  109. Daniela Monteiro Gabbay (Direito – FGV)
  110. Daniela Prates (Unicamp)
  111. Danilo de Souza Morais (UFSCAR)
  112. Danusa Marques (UnB)
  113. David Paraguai (FFLCH – USP/ DCE Livre da USP)
  114. Débora Almeida (UnB)
  115. Débora Alves Maciel (UNIFESP)
  116. Deisy Ventura (Saúde Pública – USP)
  117. Demétrio G. C. de Toledo (UFABC)
  118. Denise Helena Pereira Laranjeira (Universidade Estadual de Feira de Santana)
  119. Diana Junkes (UFSCAR)
  120. Diego Azzi (UFABC)
  121. Diogo R. Coutinho (Direito – USP)
  122. Dorival da Costa dos Santos (Unifap)
  123. Edson Burg (Unisociesc)
  124. Eduardo Grin (FGV)
  125. Eliane Cabral da Silva (Unifap)
  126. Eliane Robert Moraes (USP)
  127. Elide Rugai Bastos (Unicamp)
  128. Elisa Muller (UFRJ)
  129. Elisa Reis (Sociologia – UFRJ)
  130. Elisabetta Santoro (USP)
  131. Elizabeth Balbachevsky ( Ciência Política – USP)
  132. Elizabeth Harkot La Taille (Letras – USP)
  133. Emil Hernandez (Universidade Federal do Pará)
  134. Erminia Maricato (FAU – USP)
  135. Ester Rizzi (EACH – USP)
  136. Etiene Villela Marroni (UFPEL)
  137. Eugênio Bucci (USP)
  138. Eugênio Fernandes Queiroga (FAU – USP)
  139. Everaldo Carlos Venancio (UFABC)
  140. Everaldo de Oliveira Andrade (FFLCH – USP)
  141. Evergton Sales Sousa (UFBA)
  142. Fabiana Cristina Severi (Direito – USP)
  143. Fabiana Komesu (Unesp)
  144. Fábio César Alves (USP)
  145. Fábio Kerche (Casa Rui Barbosa)
  146. Fábio Konder Comparato (Direito – USP)
  147. Felipe Pereira Loureiro (IRI – USP)
  148. Fernanda Cardoso (UFABC)
  149. Fernanda Lima-Silva (Administração Pública  e Governo – FGV)
  150. Fernanda Marquetti (Unifesp)
  151. Fernando Aith (Saúde Pública – USP)
  152. Fernando Burgos (FGV)
  153. Fernando L. Cássio (UFABC)
  154. Fernando Luiz Abrucio (FGV)
  155. Fernando Novais ( História – USP)
  156. Fernando Rocha Nogueira (UFABC)
  157. Fernando Rugitsky (Economia – USP)
  158. Fernando Sancovsky (Administração Pública – FGV)
  159. Flavia Biroli (Ciência Política – UnB)
  160. Flavia Calé (História – USP/ ANPG)
  161. Flávia Cristina Regilio Rossi (Unicamp)
  162. Flávia Feitosa (UFABC)
  163. Flávio Rocha de Oliveira (UFABC)
  164. Francisco Comaru (UFABC)
  165. Francisco Gremaud (FEA – USP) – CAVC
  166. Francisco Martinho Palomanes (História – USP)
  167. Fraya Freyse (Sociologia — USP)
  168. Gabriel Cohn (Sociologia – USP)
  169. Gabriela Lotta (UFABC / FGV)
  170. Gabriela Nunes Ferreira (UNIFESP)
  171. Gabriela Reinaldo (UFC)
  172. Gabrielle Louise Soares Timoteo (FGV)
  173. Geraldo Miniuci (Direito – USP)
  174. Gilberto Bercovici (Direito – USP)
  175. Gilberto Maringoni (UFABC)
  176. Gilson Simões Porciuncula (Engenharia – UFPEL)
  177. Glaucia Campregher (UFRGS)
  178. Glauco Arbix (FFLCH – USP)
  179. Glenda Dantas Ferreira (Universidade Federal da Paraíba)
  180. Gloria da Anunciação Alves (FFLCH – USP)
  181. Guilherme Almeida (Direito – USP)
  182. Guilherme Casarões (FGV)
  183. Guilherme Grandi (Economia – USP)
  184. Guilherme Kodja Vivian (FGV)
  185. Gustavo Andrey Fernandes (FGV)
  186. Hedibert Freitas Lopes (Insper)
  187. Heloísa Albuquerque de Almeida (USP)
  188. Henrique S. Carneiro (FFLCH – USP)
  189. Henrique Sasdelli Vannucci (FGV)
  190. Hugo Schayer Sabino (UEMS)
  191. Iara Souza (UFBA)
  192. Igor Fuser (UFABC)
  193. Ines Patricio (UFF)
  194. Ingrid Cyfer (Unifesp)
  195. Iris Gomes Dos Santos (UFPB)
  196. Íris Kantor (História – USP)
  197. Irlon Maciel Ferreira (Unifap)
  198. Isabella Paro (Administração Pública – FGV)
  199. Isleide Arruda Fontenelle (FGV)
  200. Ivan da Costa Marques (UFRJ)
  201. Ivo Coser (UFRJ)
  202. Jacira Freitas (Unifesp)
  203. Jaqueline Kalmus (Unifesp)
  204. Jean Carlos Gomes Camargo (UFG)
  205. Jean Pierre Chauvin (ECA)
  206. Jean Tible (Ciência Política – USP)
  207. Jefferson Goulart (Unesp)
  208. Jo Dweck (UFRJ)
  209. Joana Vaz de Moura (UFRN)
  210. João Eberhart (FGV)
  211. João José Reis (UFBA/Academia Brasileira de Letras)
  212. João Leonardo Medeiros (UFF)
  213. João Machado Borges Neto (PUC SP)
  214. João Paschoal Pedote (Administração pública – FGV)
  215. Joao Paulo Garrido Pimenta (USP)
  216. João Roberto Martins Filho (UFSCar)
  217. João Sette Whitaker Ferreira (FAU – USP)
  218. João Veridiano Franco Neto (IFBA)
  219. José Arthur Giannotti (Filosofia – USP)
  220. José Augusto Fontoura Costa (Direito – USP)
  221. José Gregori (USP)
  222. José Heleno Faro
  223. José Henrique Bortoluci (FGV)
  224. José Renato de Campos Araújo (EACH – USP)
  225. José Ricardo Marques dos Santos (UESB)
  226. Juarez Guimarães (UFMG)
  227. Julia Köpf (FEA USP) – CAVC
  228. Juliana Arida (Administração Pública – FGV)
  229. Juliana Pacetta Ruiz (Administração Pública e Governo – FGV)
  230. Juliana Pimenta (IPUB – UFRJ)
  231. Juliana Reimberg (Administração Pública – FGV)
  232. Júlio Barroso (Unifesp)
  233. Julio Simoes (USP)
  234. Kalazans Louzá Bezerra da Silva (UFRN)
  235. Karina Oliveira Leitão (FAU – USP)
  236. Kátia Canil (UFABC)
  237. Lara Mesquita (FGV)
  238. Lara Simielli (FGV)
  239. Larissa Medianeira Bolzan (UFPEL)
  240. Laura Angélica Moreira (FGV)
  241. Laura Carvalho (Economia – USP)
  242. Laura de Mello e Souza (Sorbonne / USP)
  243. Leda Paulani (Economia – USP)
  244. Lena Lavinas (UFRJ)
  245. Leonarda Musumeci (UFRJ)
  246. Leonardo Avritzer ( UFMG)
  247. Leonardo Bueno (FGV)
  248. Leonardo Mello (UFABC)
  249. Leonardo Octavio Belinelli de Brito (Ciência Política – USP)
  250. Ligia Toneto (Economia – USP / DCE Livre da USP)
  251. Lilia Schwarcz (Antropologia – USP)
  252. Lisete Arelaro (Educação – USP)
  253. Lizandra Serafim (UFPB)
  254. Lourenço Chacon (Unesp)
  255. Lucia Del Picchia
  256. Lucia Granja (Unesp)
  257. Luciana Barreto Nascimento (PUC Minas)
  258. Luciana de Oliveira Royer (FAU – USP)
  259. Luciana Maria de Aragão Ballestrin (UFPEL)
  260. Luciana Nicolau Ferrara (UFABC)
  261. Luciana Ramos (Direito – FGV)
  262. Luciana Royer (FAU – USP)
  263. Luciana Tatagiba (Ciência Política — Unicamp)
  264. Luciana Travassos (UFABC)
  265. Lucy Anna Diniz (UFF)
  266. Luis Bevilacqua (UFRJ)
  267. Luís César Oliva (Filosofia – USP)
  268. Luis Felipe Miguel (UnB)
  269. Luis Fernando Biedermann (Direito – USP) – Centro Acadêmico XI de Agosto
  270. Luis Paulo Bresciani (FGV)
  271. Luis Roberto de Paula (Antropologia – UFABC)
  272. Luiz Carlos Bresser-Pereira (Economia – FGV)
  273. Luiz Felipe de Alencastro (História – FGV)
  274. Luiz Gonzaga Belluzzo (Economia – Unicamp)
  275. Luiz Recaman (FAU – USP)
  276. Luiza Balieiro Stievano (Administração Pública – FGV)
  277. Manoel Fernandes de Sousa Neto (USP)
  278. Manoel Luiz Gonçalvez Corrêa (USP)
  279. Manoela Rossinetti Rufinoni (Unifesp)
  280. Manuela Carneiro da Cunha (Universidade de Chigago)
  281. Manuela Colombo (FGV)
  282. Marcel Vieira Barreto Silva (UFPB)
  283. Marcela Ferreira (FGV)
  284. Marcelo A. Marques (FGV)
  285. Marcelo Coutinho (FGV)
  286. Marcelo Galletti Ferretti (FGV)
  287. Marcelo Marchesini da Costa (Insper)
  288. Márcia Consolim (UNIFESP)
  289. Marcia Regina Barros da Silva (USP)
  290. Marco Antonio Acco (UFPB)
  291. Marco Antonio Bueno Filho (UFABC)
  292. Marcos Augusto Perez (Direito – USP)
  293. Marcos Eugenio da Silva (FEA – USP)
  294. Marcos Nobre (Filosofia – Unicamp)
  295. Marcus Abílio Pereira (UFMG)
  296. Marcus André de Souza Cardoso da Silva (Unifap)
  297. Margaréte May Berkenbrock Rosito (Unicid)
  298. Maria Alexandra Cunha (FGV)
  299. Maria Arminda do Nascimento Arruda ( Sociologia – USP)
  300. Maria Augusta Fonseca (USP)
  301. Maria Caramez Carlotto (UFABC)
  302. Maria Cecília de Araujo Asperti (Direito – FGV)
  303. Maria Cristina Pereira (USP)
  304. Maria Cristina Pompa (Unifesp)
  305. Maria da Conceicao Passeggi (Unicid)
  306. Maria das Dores Campos Machado (UFRJ)
  307. Maria das Graças de Souza (USP)
  308. Maria de Lourdes Pereira Fonseca (UFABC)
  309. Maria Fernanda Lombardi Fernandes (UNIFESP)
  310. Maria Helena Pereira Toledo Machado (FFLCH – USP)
  311. Maria Hermínia Tavares de Almeida (IRI — USP)
  312. Maria Ligia Prado (História – USP)
  313. Maria Lúcia Refinetti Rodrigues Martins (FAU – USP)
  314. Maria Luiza Corullon (Medicina – USP) – CAOC
  315. Maria Luiza Levi (UFABC)
  316. Maria Malta (UFRJ)
  317. Maria Monica Arroyo (USP)
  318. Maria Paula Dallari Bucci (Direito – USP)
  319. Maria Rita Loureiro (FGV)
  320. Maria Rosário Gonçalves de Carvalho (UFBA)
  321. Maria Victoria Benevides (Educação – USP)
  322. Maria Victoria Benevides (FE – USP)
  323. Mariana Fix (Unicamp)
  324. Mariana Mazzini Marcondes (Administração Pública – FGV)
  325. Mariana N. S. Almeida (Insper)
  326. Mariana Nicolletti (FGV)
  327. Mariana Thorstensen Possas (UFBA)
  328. Mariângela de Araújo (FFLCH – USP)
  329. Mariângela Gama de Magalhães Gomes (Direito – USP)
  330. Marida Midori (ECA – USP)
  331. Marilena Chauí (Filosofia – USP)
  332. Marina de Mello e Souza (História – USP)
  333. Mario Aquino Alves (FGV)
  334. Mário Augusto Medeiros da Silva (Sociologia – Unicamp)
  335. Mário Fuks (UFMG)
  336. Mario Salerno (Poli – USP)
  337. Mario Schapiro (Direito – FGV)
  338. Mario Scheffer (Medicina – USP)
  339. Marisa Silva Amaral (UFU)
  340. Marjorie Marona (UFMG)
  341. Marlise Matos ( UFMG)
  342. Marta Ferreira Santos Farah (FGV)
  343. Marta Inez Marques (FFLCH – USP)
  344. Marta Mendes Rocha (UFJF)
  345. Marta Saad (Direito – USP)
  346. Marta Zorzal e Silva (UFES)
  347. Mateus Luis Barradas Paciencia (Universidade Paulista)
  348. Matheus Ichimaru (USP)
  349. Matias Cardomingo (Economia – USP/ APG USP)
  350. Mauro de Almeida (Unicamp)
  351. Mauro Zilbovicius (Poli – USP)
  352. Michelle Sato Frigo (UFABC)
  353. Miguel Henrique Russo (Unicid)
  354. Miguel Said Vieira (UFABC)
  355. Milton Lahuerta (Unesp)
  356. Miqueli Michetti (FGV)
  357. Miriam Dolhnikoff (USP)
  358. Mónica Arroyo (FFLCH – USP)
  359. Moreno Zaidan Garcia (FGV)
  360. Morgana Krieger (FGV)
  361. Natália Sátyro (UFMG)
  362. Natasha Borali (Administração Pública – FGV)
  363. Neusa Serra (UFABC)
  364. Nilce Aravecchia (FAU – USP)
  365. Nilton Ota (Sociologia – USP)
  366. Núbia dos Reis Ramos (UNEB)
  367. Nuno Manuel Morgadinho dos Santos Coelho (USP)
  368. Olympio Barbanti Jr. (UFABC)
  369. Otaviano Helene (Física – USP)
  370. Otávio Pinto e Silva (Direito – USP)
  371. Otília B. Fiori Arantes (Filosofia – USP)
  372. Patricia Maria de Jesus (UFABC)
  373. Patrício Tierno (Ciência Política – USP)
  374. Paula Marcelino (Sociologia – USP)
  375. Paulo Calmon (UnB)
  376. Paulo Eduardo Alves da Silva (Direito – USP)
  377. Paulo Eduardo Arantes (Filosofia – USP)
  378. Paulo Everton Mota Simões (UFAL)
  379. Paulo Fernando de Moraes Farias (University of Birmingham)
  380. Paulo Furquim de Azevedo (Insper)
  381. Paulo Sérgio da Costa Neves (UFABC)
  382. Paulo Sérgio Pinheiro (Ciência Política – USP)
  383. Pedro Arantes (UNIFESP)
  384. Pedro Dallari (IRI – USP)
  385. Pedro Rossi (Economia – Unicamp)
  386. Peter Spink (FGV)
  387. Priscila Figueiredo (Letras – USP)
  388. Priscila Rossinetti Rufinoni (UnB)
  389. Rafael de Azevedo R. Leão (Administração Pública – FGV)
  390. Rafaela Thomaz Vieira (Administração Pública – FGV)
  391. Ramatis Jacino (Economia – UFABC)
  392. Ramon Garcia Fernandez (Economia – UFABC)
  393. Raquel Rolnik (FAU – USP)
  394. Rebecca Abers (UNB)
  395. Regimeire Oliveira Maciel (UFABC)
  396. Regina Dalcastagne (UNB)
  397. Regina Laisner (Unesp)
  398. Reginaldo dos Santos (UFPA)
  399. Renan Zapata Moreno (Filosofia – USP)
  400. Renato Gaban Lima (Universidade Federal de Alagoas)
  401. Renato Sérgio de Lima (FGV)
  402. Ricardo Chaves (FCM – UERJ)
  403. Ricardo Moretti (UFABC / UFRN)
  404. Ricardo Musse (Sociologia – USP)
  405. Roberta Guimarães Peres (UFABC)
  406. Roberta Gurgel Azzi (Unicid)
  407. Roberto Grün (UFABC)
  408. Roberto Vermulm ( Economia – USP)
  409. Roberto Schwarz (Letras – Unicamp)
  410. Rodrigo Alves Teixeira (PUC SP)
  411. Rodrigo Bentes Monteiro (UFF)
  412. Rodrigo Menon Simões Moita
  413. Rodrigo Santaella (IFC)
  414. Rodrigo Toneto (Economia – USP) – APG USP
  415. Rogerio Royer (UFPEL)
  416. Ronaldo Adriano Ribeiro da Silva (Universidade Federal do Pará)
  417. Ronaldo Bastos Francini Filho (Universidade Federal da Paraíba)
  418. Roni Mayer Lomba (Unifap)
  419. Rosa Freire d’Aguiar
  420. Rosa Maria Perez (ISCTE-Portugal)
  421. Rosa Maria Vieira (FGV)
  422. Rosana Denaldi (UFABC)
  423. Rosângela Marionete Schulz (UFPEL)
  424. Rosangela Sarteschi (FFLCH – USP)
  425. Rossana Rocha Reis (USP)
  426. Rudinei Toneto Jr (Economia – USP)
  427. Rúrion Soares Melo (Ciência Política – USP)
  428. Ruth Dweck (UFF)
  429. Ruy Braga (Sociologia – USP)
  430. Ruy Fausto (Filosofia – USP)
  431. Sabrina de Melo Cabral (UFPB)
  432. Salomão Barros Ximenes (UFABC)
  433. Samuel Barbosa (Direito – USP)
  434. Sandhi Maria Barreto (Medicina – UFMG)
  435. Sandra Gomes (UFRN)
  436. Sandra Lúcia Ferreira (Unicid)
  437. Sandro Cabral
  438. Sara Feitosa (Unipampa)
  439. Sávio Cavalcante (Sociologia – Unicamp)
  440. Sean Purdy (USP)
  441. Sedi Hirano (Sociologia – USP)
  442. Sergio Amadeu da Silveira (UFABC)
  443. Sérgio Cardoso (Filosofia – USP)
  444. Sérgio Salomão Shecaira (Direito – USP)
  445. Sheila Neder Cerezzetti (Direito – USP)
  446. Silvana Zioni (UFABC)
  447. Silvia Garcia (Sociologia – USP)
  448. Silvia Helena Passarelli (UFABC)
  449. Silvia Hunold Lara (Unicamp)
  450. Silvia Viana Rodrigues (FGV)
  451. Silvio Luiz de Almeida (FGV)
  452. Simone Rossinetti Rufinoni (USP)
  453. Sonia M. Portella Kruppa (Educação – USP)
  454. Sonoe Sugahara (IBGE)
  455. Sueli Dallari (Saúde Pública – USP)
  456. Susana Henriques da Costa (Direito – USP)
  457. Suylan Midlej (UnB)
  458. Suzana Salem (USP)
  459. Suzane de Alencar Vieira (PPGAS – UFG)
  460. Tatiana Savoia Landini (Unifesp)
  461. Tercio Redondo (Letras – USP)
  462. Tessa Moura Lacerda (Filosofia – USP)
  463. Thais Pavez (Ciência Política – Unesp)
  464. Thaynah Gutierrez (Administração Pública – FGV)
  465. Thiago Amparo (Direito – FGV)
  466. Thiago Reis Oliveira Guimarães (PPGCS – UFBA)
  467. Thiago Trindade (UnB)
  468. Thomas Santoro Haddad (EACH – USP)
  469. Tiago Corbisier Matheus (FGV)
  470. Tiago Tranjan (Unifesp)
  471. Ulpiano Bezerra de Meneses (FFLCH – USP)
  472. Umberto Celli (Direito – USP)
  473. Ursula Dias Peres (EACH – USP)
  474. Valentim Facioli (FFLCH – USP)
  475. Valeria de Marco (USP)
  476. Vanda Machado (Unicid)
  477. Vanessa Simon (UDEsc)
  478. Vera Cepeda (UFSCAR)
  479. Vera da Silva Telles (FFLCH – USP)
  480. Véronique Braun Dahlet (FFLCH – USP)
  481. Vinicius Casalino (Facamp)
  482. Vinícius Orellano (Economia – USP / DCE Livre da USP)
  483. Vitor Marchetti (UFABC)
  484. Vitor Orquiza de Carvalho (FGV)
  485. Vladimir Safatle (Filosofia – USP)
  486. Wagner Romão (Ciência Política – Unicamp)
  487. Waldir Beividas (FFLCH – USP)
  488. Walter Fraga (História – UFRB)
  489. Zilma Borges de Souza (FGV)

 

A carta recebeu também o apoio das seguintes entidades estudantis:

União Nacional dos Estudantes (UNE)

União Estadual dos Estudantes – SP (UEE- SP)

Associação Nacional dos Pós-Graduandos (ANPG)

DCE Livre da USP – Alexandre Vannucchi Leme

CAELL (Centro Acadêmico de Estudos Linguísticos e Literários Oswald de Andrade – Letras USP)

CAER (Centro Acadêmico Emílio Ribas)

CAEA (Centro Acadêmico de Engenharia Ambiental – Poli USP)

CAF ( Centro acadêmico de filosofia Prof. João Cruz Costa )

CAHS (Centro Acadêmico Herbert de Souza)

CAII (Centro Acadêmico Iara Iavelberg – Psico USP)

CALC (Centro Acadêmico Lupe Cotrim)

CAOC (Centro Acadêmico Oswaldo Cruz – Medicina USP)

CAPMS (Centro Acadêmico Paulo Marques dos Santos – IAG USP)

CAPPF (Centro Acadêmico Professor Paulo Freire – FE USP)

CARF ( Centro Acadêmico Rosalind Franklin ICB -USP)

CAVC (Centro Acadêmico Visconde de Cairu – FEA USP)

CEC (Centro de Engenharia Civil Prof Milton Vargas)

CEE (Centro de Engenharia Elétrica e de Computação da Escola Politécnica da USP)

CEPEGE (Centro Paulista de Estudos Geológicos- IGc USP)

CEQHR (Centro de Estudos Químicos Heinrich Rheinboldt – IQ USP) – Paulo Augusto Carneiro Loureiro

DAGA (Diretório Acadêmico de Gestão Ambiental)

GFAU (Grêmio da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP)

Grêmio Politécnico da USP (Grêmio da Escola Politécnica da USP)

Guima (Centro Acadêmico Guimarães Rosa de Relações Internacionais da USP)

XI de Agosto ( Faculdade de Direito da USP)

 

“Uma primavera brasileira é possível”, diz Zé Celso. Claudio Leal

Para o diretor do Oficina, “FHC e Ciro Gomes deveriam estar na batalha contra a violência nazista”


Da pagina Bravo

“Uma primavera brasileira é possível. Se somar todos aqueles que estão indecisos, que não estão sacando a gravidade do momento, nós venceremos”, afirma, em tom de urgência, o diretor teatral José Celso Martinez Corrêa, 81, apoiador da candidatura de Fernando Haddad (PT) à presidência da República. Artista icônico da resistência cultural à ditadura militar (1964–1985), hoje defendida pelo extremista de direita Jair Bolsonaro (PSL), Zé Celso pede ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e ao candidato derrotado Ciro Gomes (PDT) que se engajem na campanha de Haddad e saiam da “neutralidade radical”, para enfrentar a tendência de violência “nazista” no país.

“Fernando Henrique Cardoso e Ciro Gomes deveriam estar na batalha, como estiveram na batalha no fim da ditadura, quando todos os partidos democráticos se uniram nas Diretas-Já. A situação é muito mais grave do que aquilo. Mais grave. Essa ditadura já está anunciada”, avalia Zé Celso, neste depoimento gravado pela Bravo!.

Dedicado à remontagem da peça Roda Viva, de Chico Buarque, atacada brutalmente pelo Comando de Caça aos Comunistas (CCC) em 1968, o diretor aproveita para se solidarizar com o compositor Caetano Veloso, que denunciou, em 14 de outubro, na Folha de S.Paulo, a “incitação à violência” promovida pelo ensaísta Olavo de Carvalho no Facebook. O músico tropicalista conclamou artistas e intelectuais a reagirem à pregação de que adversários de Bolsonaro, em caso de vitória do extremista, devem ser “totalmente destruídos enquanto grupos, organizações e até indivíduos”.

“Considero o texto de Olavo incitação à violência. Convoco meus concidadãos a repudiá-lo. Ou vamos fingir que o candidato dele já venceu a eleição e, por isso, pode mandar matar quem não votou nele?”, escreveu Caetano.

“Eles têm uma tendência de extermínio”, reforça Zé Celso, aceitando o chamado do companheiro de Tropicália: “Estou com Caetano, com Haddad, com os sem teto, com os sem terra, com todos os que estão apoiando esse movimento contra o fascismo”.

Confira a íntegra do depoimento de José Celso Martinez Corrêa, dentro da série da Bravo! com artistas e intelectuais brasileiros, ouvidos sobre o risco de retorno do país ao autoritarismo.

“Já existe a SS [tropa paramilitar ligada ao partido nazista e a Adolf Hitler]. A SS já está em plena ação. Todos os casos de violência têm uma coisa semelhante aos grupos de violência do nazismo. A situação está tal que eu acho um absurdo as pessoas que têm um pouco de cabeça se manterem neutras. Neutralidade radical, como se diz no Rei da Vela. Ou são extremistas de centro. Fernando Henrique Cardoso e Ciro Gomes deveriam estar na batalha, como estiveram na batalha no fim da ditadura, quando todos os partidos democráticos se uniram nas Diretas-Já. A situação é muito mais grave do que aquilo. Mais grave. Essa ditadura já está anunciada. Esse cara do #Elenão deveria ter sido tirado da eleição há muito tempo. As coisas que ele [Jair Bolsonaro] fala a favor da tortura e de tudo quanto é criminalidade de extrema direita e nazista! O Brasil está suportando o nazismo. Estou preocupadíssimo. Estou trabalhando muito, estou fazendo o Roda Viva[remontagem da peça encenada em 1968], que vai dar problema, com certeza. E estou levando o Rei da Vela [também remontada em 2018 pelo Teatro Oficina] pro Rio Grande do Sul. Não tive tempo de escrever e de manifestar aquilo que eu penso. Caetano tem toda razão [em artigo publicado na Folha de S.Paulo de 14/10/2018]. Caetano está uma voz solitária, pedindo que as pessoas se conclamem. Estou absolutamente do lado dele. Porque eu ouvi esse boçal chamado Olavo de Carvalho, que só fala “porra, porra, porra”, que só xinga, que só destrói. Eles querem destruir as pessoas. Mas, numa democracia, não é isso o que acontece. Você tem partidos de oposição e a democracia acontece nesse diálogo com a oposição. Não é uma questão de destruir. É tão óbvio. Ele é uma besta, um sujeito ignorante, que não é um filósofo. Um filósofo jamais falaria da maneira grosseira como ele fala. O jeito como ele falou de Caetano é de quem não tem a menor ideia do que é arte. Caetano, além de ter estudado filosofia, é um poeta maravilhoso. Esse sujeito bota as patas para responder a Caetano.

Eles têm uma tendência de extermínio. Deve haver uma união de todos os indecisos. Os artistas estão lutando. Ainda há tempo, se houver uma frente democrática. Temos duas semanas. Não é uma eleição vulgar, não é eleger o PT ou não. Fernando Haddad mesmo diz que não se trata do PT. Haddad mudou a cor [da marca de campanha, do vermelho para o verde e amarelo] pra criar uma frente ampla democrática e um governo de coalização. Eu acho que essas pessoas — Ciro Gomes, Fernando Henrique e a parte do PSDB que não está totalmente podre — deviam se unir neste momento. O momento é muito grave. Assim como foi a luta da ditadura, em que os artistas trabalharam muito, foram corajosos nas passeatas. No Roda Viva, nem se fala: apanhamos no teatro [Ruth Escobar, em São Paulo] e apanhamos em Porto Alegre, pra onde eu vou, onde o próprio Exército bateu nos atores e botou todos de volta no ônibus. Não sei como essas pessoas que têm o mínimo de percepção da democracia não estão vendo que não se trata de uma eleição qualquer. É uma luta contra o fascismo e a ditadura. É preciso criar imediatamente uma frente democrática que se exponha, que faça comícios juntos, se apresentem juntos, de mãos dadas, com os artistas e também os políticos que se sentem democratas. Neutralidade nessa hora é compactuar com o nazismo.

O meio ambiente vai fazer parte do agronegócio. Isso é a destruição da Amazônia, do meio ambiente, é contra o que se assinou em Paris [Conferência do Clima]. Este é um combate em todas as áreas. Nas áreas dos gêneros, dos trans, dos machos, das fêmeas, de todo mundo que tem cu. Porque todos nós temos cu, machos e fêmeas. E nós sabemos disso. Pessoas como Cid Gomes [senador eleito pelo PDT do Ceará] tiveram um papel horrível. Ele fica atacando Haddad diante de um acontecimento grave. Nós temos que estar juntos. Haddad é uma pessoa culta, inteligente, democrata. Conheço Haddad. É uma pessoa íntegra. Ele está aberto a todas as tendências da democracia. Caetano, que votou em Ciro, disse que Ciro deveria apoiar o Haddad.

Essa bosta desse filósofo Olavo do sei lá é um lacaio do [Steve] Bennon [ex-estrategista político de Donald Trump]. Eles estão aplicando toda a tecnologia que elegeu Trump. Eles foram aos EUA aprender e aplicaram aqui. Uma campanha nojenta, secreta, através do Whatsapp, que faz aparecer uma pessoa que você nunca viu no governo de Minas Gerais, outra no governo do Rio. Uma coisa traiçoeira, sub-reptícia, indecorosa. Devemos levantar o brio das pessoas que amam a liberdade, não só dos artistas, mas dos políticos. Está todo mundo hipnotizado. É um tsunami fascista. O Brasil está em plena primavera! Nas sessões do Rei da Vela, a gente sente a primavera. O comício do Haddad na Cinelândia, no Rio de Janeiro, e depois o das mulheres, do #Elenão, foram uma primavera. Está havendo um aborto disso. Uma primavera brasileira é possível. Se somam todos aqueles que estão indecisos, que não estão sacando a gravidade do momento, nós venceremos. A democracia vence no Brasil. O país foi feito pra democracia. Já passou por ditaduras e foi horrível. Eu fui torturado, exilado, sem saber nem por quê. E isso acontecia com qualquer pessoa. Porque é um regime irracional, a ser capitaneado por um camarada que é um boçal, um ignorante, que não sabe falar, não sabe debater. Só tem ressentimento. É inveja de tudo que houve de liberdade sexual, liberdade democrática, liberdade na criação. As piores emoções estão fazendo essa maioria que está apoiando esse candidato. Ele não devia nem estar no páreo. Mas é o STF (Supremo Tribunal Federal) que disse que não houve ditadura, porque foi um movimento [o presidente do STF, Dias Toffoli, tratou o golpe de 1964 como “movimento”, numa palestra em São Paulo]. Desde o golpe de 2016 isso vem crescendo, por um antipetismo absolutamente irracional. Corrupção é uma coisa que se apura, se julga, agora a falta de liberdade, o domínio de um regime fascista, é uma coisa muito mais grave.

Esse candidato era do partido do Paulo Maluf. Outra coisa: o capitalismo em si é totalmente corrupto, a maior corrupção que existe é a desigualdade imensa, a maior que já houve na história da humanidade, por conta do aparecimento, exatamente, da especulação financeira. Agora, o capitalismo financeiro tem o capitalismo agrário, o industrial, a televisão, tem tudo. E produziu o maior momento de desigualdade do país. Eu estou veemente nessa luta pela democracia. Caetano nos conclamou a nós, artistas, que estamos nessa primavera cultural, pra gente tomar essa posição. Estou com Caetano, com Haddad, com os sem teto, com os sem terra, com todos os que estão apoiando esse movimento contra o fascismo. As pessoas estão dopadas, drogadas por um mito. Um mito!… Um mito não é nada. É uma boneca de papel. Sopra e ele desaparece. Estou muito alegre pela felicidade guerreira de poder ainda lutar contra isso.”

Jornada Mundial da Rede em Defesa da Humanidade nas Redes Sociais: FASCISMO OU DEMOCRACIA NO BRASIL

Convocação

Com vistas ao segundo turno das eleições presidenciais no Brasil, em 28 de outubro, e diante do perigo iminente que o representante do fascismo e da barbárie vence, a Rede em Defesa da Humanidade, convoca um Jornada Mundial em rede. com o título: FASCISMO OU DEMOCRACIA NO BRASIL

Data da Jornada: de 19 a 28 de outubro

Twitazzo: 23 de outubro das 10h às 18h.

Tags: #ContraOFascismoNoBrasil

As principais contas a seguir no Twitter: @ mariliakit5, @edhcuba, @omartodavia, @nayarlopez_nl, @ clio1968, @aguerraguerra, @humanidadenred, @KatuArkonada, @atilioboron, @TheIntCom

Páginas no Facebook para compartilhar e divulgar informações: https://www.facebook.com/Cuba.EDH/

Mulheres convocam atos em todo o país para o próximo sábado (20) contra Bolsonaro

Organizações querem repetir os atos do dia 29 de setembro, que levou milhões às ruas de mais de 200 cidades


Organizações e coletivos de mulheres de todo o país prometem realizar novos grandes atos contra o candidato de extrema direita Jair Bolsonaro (PSL) no próximo sábado (20).

No convite à população, os coletivos destacam que “a candidatura de Jair Bolsonaro apoia a ditadura militar, defende explicitamente a violação dos direitos humanos, questiona os direitos das minorias e a ocorrência comprovada de torturas. Além disso, ameaça constantemente com a quebra da normalidade democrática. Suas mal apresentadas propostas indicam um projeto político de continuidade e aprofundamento dos ataques aos direitos políticos e sociais do povo brasileiro”.

Além de se posicionar contra a candidatura de Bolsonaro, a convocatória destaca que Fernando Haddad (PT) “representa uma Frente Ampla pela democracia, com os apoios dos partidos (PDT, PSB e PSOL) e também de um conjunto de lideranças, artistas, movimento social e cívico que tem como objetivo resguardar a democracia”.

Kelli Marfort, da direção nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), afirma que as organizações esperam realizar atos em um maior número de cidades pelo país. “No dia 20, é o ato que vai marcar a virada, a nossa conquista e a nossa vitória nessa eleição. E a nossa tarefa, do Movimento Sem Terra e os movimentos que compõem a Via Campesina, o campo popular e de esquerda, é realizar atos no dia 20 no maior número de cidades do país. Vamos fazer atos com força nas capitais e nas grandes cidades. Mas também é nossa tarefa levar esses protestos para as pequenas cidades do interior”.

Ísis Menezes Táboas, militante da Frente Brasil Popular, destaca que, a partir das mobilizações do dia 29 de setembro, o próprio candidato Bolsonaro começou a sinalizar uma mudança de posicionamentos, na tentativa de se aproximar do eleitorado feminino. Estratégia que, segundo ela, não deve funcionar.

“Nós, mulheres, somos uma das principais barreiras para que o candidato vença as eleições presidenciais. E agora que ele está em campanha e percebeu a importância do voto feminino, ele busca esconder o seu projeto violento e discriminatório, e suas conhecidas posições machistas, racistas e homofóbicas. Mas nós não esqueceremos que ele votou contra os direitos das trabalhadoras domésticas, que ele pretende armar a população, que ele incita a violência, que ele quer retroceder a um regime autoritário, ditatorial e militar”.

No dia 29 de setembro, manifestações contra a candidatura de Bolsonaro foram realizadas em mais de 200 cidades brasileiras. O movimento suprapartidário foi convocado sobretudo por meio das redes sociais, com a hashtag #EleNÃO, e teve o apoio de artistas do mundo inteiro, entre eles, da cantora pop Madonna.

Confira abaixo a agenda de mobilizações pelo país:

Haddad e partido de Ciro vão à Justiça para cassar chapa de Bolsonaro

Eles apontam crimes eleitorais em suposta ação de empresários para custear mensagens anti-PT e fake news; opositores falam em “caixa 2”


Da pagina Veja

O presidenciável Fernando Haddad (PT) e o PDT, partido que o apoia no segundo turno, vão entrar na Justiça para pedir a punição de Jair Bolsonaro (PSL) e a impugnação de sua chapa em razão de reportagem desta quinta-feira do jornal Folha de S. Paulo que revela que empresários bancaram a disseminação de mensagens contra o PT nas redes sociais.

Segundo o jornal, as empresas – que também terão suas punições pedidas à Justiça – custearam, com contratos de 12 milhões de reais, serviços de disparos de conteúdos por meio do WhatsApp contra o partido e favorecendo Bolsonaro. Haddad disse que há indícios de outros “milhões de reais” em contratos ainda não identificados.

O caso se tornou o principal assunto do Twitter hoje no Brasil, com a hashtag “#Caixa2doBolsonaro”.

“Em qualquer lugar do mundo, isso seria um escândalo de proporções avassaladoras, poderia encerrar até com a impugnação da candidatura com a chamada do terceiro colocado para disputar o segundo turno”, disse Haddad. Quem chegou em terceiro lugar no primeiro turno foi Ciro Gomes, que é do PDT, partido que anunciou que vai à Justiça – ele teve 13.344.366 votos, representando 12,47% dos votos válidos.

O petista citou que o próprio Bolsonaro, falando por viva-voz no celular, pediu a empresários que financiassem a disseminação de mensagens aos eleitores. Para Haddad, houve crimes de organização criminosa, caixa 2, calúnia, difamação e lavagem de dinheiro.

Independentemente do resultado eleitoral, Haddad afirmou que sua campanha vai rastrear os responsáveis pela disseminação do conteúdo e pedirá a prisão em flagrante ou prisão preventiva dos responsáveis. O petista também afirmou que vai cobrar de Bolsonaro uma reparação por informações mentirosas feitas contra ele durante o processo eleitoral. “Isso não tem prazo para acabar, vamos até as últimas consequências.”

O presidente do PDT, Carlos Lupi, disse que os argumentos do pedido que o partido irá apesentar à Justiça ainda estão sendo preparados pelos advogados da legenda, que devem endereçar a solicitação ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

No início da tarde, sem mencionar a reportagem da Folha, Bolsonaro afirmou no Twitter que “apoio voluntário é algo que o PT desconhece e não aceita”.

Impugnação

Especialistas ouvidos pela agência Reuters avaliam que, confirmadas as informações reveladas pela reportagem, a campanha de Bolsonaro pode ser acusada de abuso de poder econômico, abuso do uso de meios de comunicação e omissão de doações de campanha, o que poderia levar à impugnação da chapa, mesmo que Bolsonaro não soubesse da ação de empresários a seu favor.

“Se confirmada, a prática pode configurar abuso de poder econômico, levando à inelegibilidade nessa própria eleição. A jurisprudência diz que, mesmo que não tenha sido ele ou a campanha, a candidatura pode responder pelo ilícito”, disse Daniel Falcão, coordenador do curso de pós-graduação em Direito Eleitoral do Instituto Brasiliense de Direito Público.

O advogado especialista em legislação eleitoral Francisco Emerenciano acrescenta que o caso pode ainda configurar omissão de despesas, o popular caixa 2, além do abuso de poder econômico, se as acusações forem verdadeiras.

“Em se configurando isso, no mínimo, se houver o conhecimento prévio da campanha – e não tem como o beneficiário não ficar sabendo em valores como esse – eu poderia ter um questionamento de que houve omissão de despesa de campanha”, disse Emerenciano.

O jornal Folha de S. Paulo relata que cada pacote de disparos em massa custaria cerca de 12 milhões de reais, para o envio de centenas de milhões de mensagens. Ao menos quatro empresas podem ter usado essa prática, segundo a reportagem.

Quatro especialistas ouvidos pela Reuters concordam que, em tese, mesmo a campanha alegando que não tem relação com a decisão de empresários que agiram em prol de Bolsonaro, o candidato poderá ser responsabilizado por crime eleitoral, já que o resultado da eleição pode ser alterado por ações em seu benefício.

“A responsabilização é objetiva. Não está sendo avaliado a conduta pessoal de Bolsonaro. A responsabilidade do abuso de poder é objetiva, não importa se a campanha agiu com culpa (sem intenção) ou dolo (propositalmente). Vai ser avaliado se conduta teve ou não influência na campanha”, diz Guilherme Salles Gonçalves, especialista em Direito Eleitoral e membro fundador da Academia Brasileira de Direito Eleitoral e Político.

Candidato ao governo do Rio, Witzel organizou evento que ficou conhecido como ‘farra dos juízes’, em 2010

Witzel já ensinou a magistrados artifício para acumular indevidamente benefícios no salário


Da pagina Folha de S.Paulo

O candidato do PSC ao governo do Estado do Rio, Wilson Witzel, foi um dos organizadores de evento em 2010 que ficou conhecido como a “farra dos juízes federais”.

O evento, ocorrido em resort de luxo em Comandatuba, sul da Bahia, foi patrocinado por estatais como Caixa, Banco do Brasil e Eletrobras, além de empresas privadas como Souza Cruz.

O encontro foi criticado por parte da magistratura, que entendeu que o evento subsidiado poderia colocar em risco a autonomia de futuras decisões, além de ferir a Emenda Constitucional nº 45, que veda aos juízes receber auxílios ou contribuições de pessoas físicas ou de empresas.

Uma das opções apresentadas pelos críticos à época seria realizar o evento em auditório da escola de magistratura, e não em um resort de luxo pago por patrocinadores privados.

Na ocasião, cada juiz pagou R$ 750 para participar do evento de quatro dias no resort cujas diárias giravam entre R$ 900 a R$ 4 mil. Juntos, Caixa e Banco do Brasil investiram R$ 380 mil no evento para 700 pessoas.

O encontro, que teve quatro palestras, assembleia geral, oficinas de golfe, arco e flecha, jantares e shows, foi tratado pelos juízes federais participantes como “0800”, em referência às chamadas telefônicas gratuitas no país.

Witzel esteve envolvido na realização do evento, quando integrava a diretoria da Ajufe (Associação dos Juízes Federais do Brasil).

Em vídeo por ocasião de sua tentativa de eleição à presidência da Ajuferjes (Associação dos Juízes Federais do Rio e Espírito Santo), em 2012, Witzel afirmou que o encontro em Comandatuba foi o “melhor evento da história da Ajufe”.

No vídeo, ele defende equiparação salarial entre juízes federais com os vencimentos dos juízes estaduais e procuradores, por meio da incorporação de benefícios, como a indenização de férias.

​Antes desconhecido do grande público do Rio, Witzel foi ativo na política da magistratura. Ele teve crescimento vertiginoso em sua campanha ao se colocar como o candidato do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) ao governo do Rio.

Ele obteve 41,28% dos votos no primeiro turno, contra 19,56% de seu adversário Eduardo Paes (DEM).

O ex-juiz federal, que abriu mão do cargo para tentar a eleição, passou pela primeira vez por escrutínio público. Diversos vídeos surgiram de sua atuação política como juiz.

No último sábado (13), o jornal O Globo divulgou vídeo em que o candidato ensina, em palestra ocorrida em janeiro deste ano com juízes do trabalho, forma de acumular indevidamente benefícios no salário.

Durante palestra em evento sobre a Funpresp (Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal) organizado pela Ajutra (Associação dos Juízes do Trabalho), Witzel explicou como faz para acumular mais R$ 4 mil ao seu salário.

O benefício passa pelo acúmulo de função dos juízes em varas em que não há juiz substituto.

Witzel explicou que “expulsa” seu substituto de propósito para acumular a gratificação, conhecida como “gratificação de acúmulo”.

Ele diz que pressiona o juiz substituto para se ausentar, por pelo menos 15 dias todo mês, a fim de receber o benefício previsto para juízes que acumulam funções dentro da magistratura.

“Os juízes hoje estão recebendo auxílio moradia, auxílio alimentação, e a gratificação de acúmulo, que, na Justiça do Trabalho, eu sei que é muito mais difícil de receber, mas, na Justiça Federal, praticamente todos os juízes recebem. A gratificação de acúmulo, que é de quatro mil reais. Eu recebo, expulsei o juiz substituto da minha Vara, disse ‘Ô, negão, ou você vai viajar lá pra ficar um ano fora, ou eu vou te expulsar da Vara’. Brincadeira, adoro meu juiz substituto. Mas, se ele ficar, eu não recebo. Aí a gente fez uma engenharia. Todo mês, 15 dias por mês, o juiz substituto sai da vara”, disse ele, em fala registrada em vídeo que foi deletado do Youtube.

Na mesma palestra, Witzel disse que colaborava com o Instituto Teotônio Vilela, do PSDB, e que naquele momento previa que o vencedor da eleição deste ano seria o tucano Geraldo Alckmin, que ficou, contudo, de fora do segundo turno, tendo obtido apenas 4,76% dos votos válidos.

Em agenda de campanha nesta segunda (15), na Tijuca, zona norte do Rio, Witzel negou que o recebimento da gratificação seria irregular.

Segundo ele, a gratificação de acúmulo foi criada por lei, aprovada pelo TCU (Tribunal de Contas da União), pelo CNJ (Conselho Nacional de Justiça) e pelos tribunais federais.

Ele explicou que ela foi criada para fazer frente a grande quantidade de vagas ociosas em varas federais pelo país, devido principal ao déficit de concursados no segmento.

Witzel, que disse que a reportagem apresentou a informação de forma maldosa, não explicou, contudo, o motivo de fazer a “engenharia” para garantir o ganho do benefício.

“Todos os juízes que recebem gratificação, recebem por força de lei”. “Não há qualquer arbitrariedade, nenhuma falcatrua, como maldosamente foi colocado”, disse.